CAPPAZ - Confraria Artistas e poetas pela Paz


    

 

  Data: 09/4/17 - 17:51

  Nome:   JJota Poeta
  Cidade:   Porto Alegre
   
“A CAPPAZ é Árvore Dadivosa que se abre para as Forças do Universo... A “Fênix” que sempre Renasce das próprias Cinzas”! (JJotaPoeta)


  Data: 09/4/17 - 17:49

  Nome:   JJota Poeta
  Cidade:   Porto Alegre
   
CAPPAZ - 9 Anos!
J.J. Oliveira Gonçalves

Há 9 anos, no dia 9 de Abril, nascia a CAPPAZ. E nascia bem nascida, bem gaúcha. E já com um sabor lírico, romântico: ao marulhar das águas do Guaíba. E nascia, ainda, sob um toque sutil: o toque da própria brisa que vinha do rio, a contracenar com o Sol brilhante e o forte calor daquela tarde. Embora o Outono já se mostrasse adulto em sua presença, nesta Porto Alegre dos Casais.

9 anos... E cabe, aqui, aquela expressão bem mais antiga do que eu: parece que foi ontem... Pois, é... parece. Mas já se passaram 9 anos. 9 anos tecidos de lutas várias e diárias. Com alegrias, com certeza. E, também, com algumas dificuldades e certos dissabores. Como não sei escrever o que não sinto – e nem padeço do exercício da vaidade e da hipocrisia – posso afirmar que poderiam ter sido de alegrias dobradas. E de dissabores subtraídos. No entanto, também não posso desconhecer que vivemos num mundo terreno – não vivemos num céu. Que a vida é uma dádiva e uma oportunidade – à qual não é dado o devido e ajustado valor. É complexa, eu sei. Mas é nessa complexidade que estão postas as Grandes Lições que devem ser praticadas – e não, apenas, decoradas, como se não tivéssemos o poder do raciocínio e da coragem. (Saber de cor o discurso e não praticá-lo, de nada vale!) Quanto ao bicho-homem, é mister que se volte sobre si, reestude sua figura e reflita sobre seu protagonismo neste Planeta-Azul. Infelizmente, esqueceu-se que tem – mais do que um Dever – uma Missão em sua rápida passagem, por aqui. É preciso que nasça um homem melhor, um homem novo. Todavia, (segundo as Leis do Xamanismo), para que nasça o novo é preciso que se destrua o velho. Que esse “homem-velho” se desapegue de sua mentalidade jurássica. E que se transforme no “homem-novo” que Deus espera e deseja que esse homem seja! Largue da vaidade exacerbada de se crer, realmente, sapiens. Deixe de se vangloriar de que, efetivamente, é ser-humano, quando, na verdade – e ele mesmo sabe – é muito mais ser e muito menos humano! Só assim ele aprenderá a Amar e a Respeitar – verdadeiramente! – a Mãe Natureza e os nossos manos animais! Fora disso, sua palavra será tediosa e repetitiva balela. E sua razão de ser será, apenas, uma triste farsa! A PAZ – tão citada e decantada – não acontecerá, nunca, se o homem não fizer gestos e obras concretas para que ela aconteça. A PAZ será, então, mera e tristonha Utopia! Afinal, o Sonho não pode ser somente o sonho quando dormimos – e que se dissipa quando acordamos. O Devaneio não pode ser somente aquelas vontades, aqueles Desejos, aqueles Sonhos que sonhamos de olhos abertos. E a Utopia não poder ser somente aquele Sonho impossível de realizarmos! Porém, se quisermos viver só de Utopias, o que fazemos, realmente, neste mundo? Para que viemos a este Plano, então? Tão somente para vivermos e morrermos – nada mais? Não teria sentido!

9 de Abril de 2017... Manhã de Domingo de meu Pai Oxalá. O céu estendeu seu poncho cinzento sobre esta Querida (e maltratada!) Porto Alegre destes últimos tempos. Há uma chuvinha fina e intermitente. De vez em quando, algum passarinho dá o ar da graça. Frente ao PC, muitos e díspares pensamentos povoam-me a mente. E há cansaços das tantas andanças pelos Caminhos da Existência! Há uma Bandeira da Cor-da-Alma tremulando no Infinito. No Infinito de meu ser incompreendido e envelhecido de poeta. Entretanto, apesar da Dor Existencial que carrego em minhas entranhas, há, ainda, uma leve e inexplicável Esperança no coração. E uma Sensação de Paz em meu Espírito! Acredito ser a Sensação de que faço o que posso – dentro do que posso e do que me é permitido fazer. Com minhas Vestes Imaginárias de Franciscano: sempre tecendo um Hino de Amor à Mãe-Natureza e aos Irmãos Animais! A Natureza me inspira! Os animais me encantam! São Francisco de Assis me fascina!

Há 9 anos, a Confraria Artistas e Poetas pela Paz nascia. Parabéns, a toda a Família CAPPAZ! Todos somos importantes. Só não o é quem assim não se autoconsiderar. Portanto, todos podemos comemorar mais este aniversário da Confraria: o Nono! Na intenção do coração. Na pureza da Alma. Na Filigrana do Pensamento. Enquanto escrevo estas palavras, a manhã vai chegando ao fim. E esta crônica, também, deixando um Parabéns Especial à nossa Presidente-Fundadora – minha pessoal Amiga Joyce: uma mulher batalhadora, idealista, sábia e humana!

Com meu abraço franciscano, um Brinde à Vida e à CAPPAZ!!


“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)


Porto Alegre, 09 de Abril/2017. 12h
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br


  Data: 26/3/17 - 17:47

  Nome:   CARLOS REINALDO DE SOUZA
  Cidade:   CONSLHEIRO LAFAYETTE - MG
   
OLÁ CAPPAZES, SAUDAÇÕES FRATERNAS!

É UM PRAZER RENOVADO PASSAR PELO NOSSO MURAL, PARA MANTER ESTE CONTATO FRATERNO COM VOCÊS! NESTE ANO, REGISTRAMOS DUAS NOTÍCIAS TRISTES: O FALECIMENTO DO CONFRADE OTONIEL E DA MÃE DA CONFREIRA VERA PASSOS. ÀS FAMÍLIAS ENLUTADAS, OS SENTIMENTOS DE PESAR DA DIRETIVA NACIONAL E DE TODOS OS MEMBROS DA CAPPAZ!
DEIXO O MEU ABRAÇO SAUDOSO E O DESEJO DE QUE A PAZ E A HARMONIA ESTEJAM SEMPRE PRESENTES NOS LARES DA FAMÍLIA CAPPAZ E QUE VOCÊS PARTICIPEM, ATIVAMENTE, DAS ATIVIDADES DA CONFRARIA, ESPECIALMENTE DAS CIRANDAS. CARLOS REINALDO DE SOUZA - PRESIDENTE NACIONAL.


  Data: 05/3/17 - 15:10

  Nome:   Diná Fernandes
  Cidade:   Várzea
Faleceu hoje a genitora da confreira e Presidente Regional em Salvador, Vera Passos. A CAPPAZ e seus filiados lamentam o ocorrido. Que Deus conforte a família enlutada.



  Data: 09/2/17 - 22:25

  Nome:   Diná Fernandes
  Cidade:   Várzea
Comunico o falecimento do confrade e poeta José Otoniel da Costa, ocorrido ontem. Que Deus o receba em seus braços.


  Data: 09/11/16 - 0:16

  Nome:   JJota Poeta
  Cidade:   Porto Alegre
   
Natureza: Paz para o Espírito...
J.J. Oliveira Gonçalves

A Natureza é Paz! Música para o Espírito! Embala a Alma. Massageia carinhosamente o coração. Alivia a mente das Dores da vida. E relaxa o corpo das tensões do cotidiano. A Natureza é Poema para os olhos! Um Poema, às vezes, mudo. Outras, um Poema em movimento. Outras, ainda, Poema recitado na voz ou nos flautins dos pássaros. Na voz líquida das águas. Na voz chorosa do Vento. Na balada líquida e cadenciada da Chuva. Um Poema exuberante, magistralmente recitado pelos Espíritos da Floresta! Esse Poema é Especial. E é concreto. Um Poema Clássico e Moderno – ao mesmo tempo. Tem a Antigüidade do Tempo. E a Modernidade destes tempos. Por isso, tem rimas, tem ritmo, e é Livre. Das Obras-Primas é a primeira, a mais singela. E é Única! Eis que o Poeta é Deus! E é o Pintor. O Escultor. O Compositor. E é, ainda, o Intérprete! Afinal, não é Ele o Criador? O Senhor do Universo? A Parte e o Todo?

A Natureza é Paz! É a Mãe Generosa. E a Irmã mais Bela! Singela e, ao mesmo tempo, glamourosa. Beijada pela Alvorada trazida pelo Sol ardente e bochechudo. E, à noite, embalada pela Lua e seu séquito de Estrelas coloridas e intermitentes de Estrelas. Quando escrevo, ando por ermos distantes. Por descampados onde a Alma é um pássaro. E é um menino envelhecido o coração. Há Sonhos e Quimeras de mãos dadas... Há Gnomos e duendes. Há Cores e há Cristais. E há Fadas que se transformam em borboletas e vêm pousar sua Leveza – esguia e multicor – em meus ombros. Ah, e uma musicalidade angelical que encanta e enternece meus ouvidos...

Nesse cenário franciscano de Paz e Bem, Beleza e Igualdade, vislumbro outros Tempos, outras Eras. Tempos de Luz. Eras de Prosperidade: Trigo e Vinho. Rosas e Mel. Um homem bom. Um Mundo limpo! E uma Vida, realmente, para se degustar e vivê-la em sua plenitude! Recheada de Valores – Universais e Fraternos! Alicerçados no Amor, na Justiça, na Moral e no Sagrado!

Agora, abro os olhos. Olhos sonolentos e Sonhadores. O Agora é duro. E é Dor. Dramaticamente surreal. E me pergunto se estas fortes Sensações são Castigo. Ou são Lições. Todavia, sei que são tempo perdido são tais questionamentos... (Em vão mas não vazios!) É a Vida – me dirão alguns. E eu lhes responderei com um meio sorriso tímido, encabulado... Todavia, com um sorriso inteiro, hei de continuar sorrindo como sorria aquele menino antigo cuja inocência vislumbrava um Mundo de Encantamento do Tempo em que as historinhas começavam com “era uma vez...” Ah, então, lá, o jardim da boa avó materna era o Mundo Real daquelas ledas e mágicas das “histórias da carochinha...” Tanto que já escrevi em outras vezes que uma carochinha foi minha primeira namorada... E foi mesmo. Eu era criança. E, hoje, apesar de meus cabelos brancos, aquela faceira e saltitante carochinha vive aninhada em meu coração-guri. Pois, é... Do jardim variado, colorido e perfumado de minha avó “Mama”, eu trouxe este Encantamento todo e todo este Amor pela Natureza. É lá que volto, quando as Dores me consomem. E quando para os Sofreres não encontro explicação. É lá que volto. Em busca de mim mesmo. Em busca de Paz para meu Espírito. Franciscano que sou. Com certeza, de nascença!

“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)

Porto Alegre, 14 de setembro/2016. 11h33min
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br


  Data: 01/11/16 - 22:40

  Nome:   joyce Lima Krischke
  Cidade:   Porto Alegre
A Voz do Silêncio
Joyce Lima Krischke

Ah, o silêncio... diz além do som!
Silêncio de alguém pode ser dom.
Palavras que somem na emoção.
Palavras guardadas no coração.

Palavras ditas, lidas, ouvidas
podem levar ao silêncio das vidas.
Oh! A Voz do Silêncio muito diz
Até pra quem some e nada diz...

A Voz do Silêncio do mosteiro
transmite paz ao mundo inteiro.
Ouço quem semeia palavras ao léu...

Cautela na comunicação - Paz.
Veículo do bem que ela refaz
Verdade não se oculta por véu...

Porto Alegre, 22/10/16. 19:20


  Data: 01/11/16 - 22:29

  Nome:   JJOTA POETA
  Cidade:   PORTO ALEGRE
   
O Golpe Democrático das Urnas!
J.J. Oliveira Gonçalves

O primeiro turno foi o primeiro round. O PT saiu atordoado. Foi a nocaute. Veio o segundo turno. Foi o segundo round. O PT – que restou do primeiro – beijou a lona. Foi a nocaute, de novo! Então, o PT, mais do que atordoado, saiu desmaiado. Acabou a disputa. O PT foi flagrante e indiscutivelmente eliminado! O PT “plantou” por 13 anos. Agora, fez sua colheita prevista, farta, indiscutível – merecida!

Com certeza, não sou golpista! Nem fascista! Não sou coxinha. Nem peemedebista. Menos, ainda, comunista! Todavia, sou cidadão. E eleitor, ainda. Por isso, usei de minha prerrogativa democrática e sagrada do voto. E, assim, democraticamente, tive a feliz oprtunidade de, cidadão comum – com a Constituição na mão! – também dar o “golpe” no PT. Sendo, assim, neste segundo domingo de eleições, deflagrei, orgulhosa e definitivamente, o “golpe” de misericórdia no PT!

A partir deste domingo, o Brasil passa a viver o clima republicano do “golpe” verde-e-amarelo no PT! Quem sabe, a Primavera esteja renovando o Coração e a Alma da Pátria. Fazendo desabrochar flores que darão venturosos e saborosos Frutos. E os Ventos que andam soprando, (vigorosamente!), por aqui, sejam novos Ventos de Esperança para o Povo Brasileiro.

Enfim, como sempre digo e escrevo, a vida é dual e nos reserva matizes que, sequer, imaginamos. A vida esconde ironias e as desvela quando menos esperamos. E o velho e sempre jovem Tempo é seu grande aliado nessas inesperadas “revelações”. Ao longo desta longa e já exausta Caminhada, tive que tomar atitudes que nem imaginava. Tive que rever conceitos e mudar atitudes. Todavia, jamais deixei de ser eu mesmo. Jamais traí meus princípios. Jamais perdi a vergonha na cara. Por tudo isso, tive que atravessar minha jornada como professor de sala de aula – por mais de 30 anos – com muita Dor e Sofrimento. E, por perseguições – fruto de invejas e incompetências – tive que passar por 12 escolas do magistério público estadual. Porque tive que enfrentar governos ditatoriais, (travestidos de democráticos!), e, pior: paralelamente, tive que enfrentar “governos”, (panelas!), maquiados de direções de escolas! Então, não é de hoje que conheço esses movimentos antidemocráticos de lavagem cerebral na cabeça do povo e, miseravelmente, na cabeça do aluno. Com certeza, não pequei por omissão. Mas, por isso mesmo, paguei por ter sido eu mesmo: fiel aos meus princípios enquanto professor e pessoa humana que sempre fui. Nas humilhações, não baixei a cabeça. E, mesmo no desepero e na aflição, não curvei a coluna, pois nasci pobre, sim, mas livre, ou seja: sem dobradiças na coluna. Ah, e sempre servi a um só Senhor, ou seja: a Deus! Eis que ser um “Fausto” jamais esteve em meus planos, em meu pensamento, sequer em minhas tribulações! Preferi a consciência tranqüila sobre o travesseiro, do que o remorso e o arrependimento de trair a mim mesmo. Pois, quem trai a si mesmo renuncia à sua Dignidade, à sua Honra, à Liberdade e a Deus! Renunciei às benesses do poder, aos puxa-saquismos dos homens e à ilusão deletéria dos bens materiais – que advêm de tudo isso. Por tudo isso, mesmo, continuo pobre, recebendo um salário miserável que o governador Sartori paga quando quer e como quer... lamentavelmente!

Pois, é... O parágrafo, acima, são rápidas pinceladas de minha complexa Jornada enquanto professor. Quando, lá pela metade da Caminhada, eu já observava certas manobras para que se aprovasse o aluno relapso, segundo, é claro, a procedência do aluno. Também, por essa época, já observara uma triste intenção de certas perguntas, subliminares questionamentos: “afinal, para que servem as matérias ‘teóricas’ das grades de conteúdo dos professores?” Em uma das últimas escolas em que lecionei, colegas – com acentuada conotação político-partidária – tentaram me convencer a aceitar o errado como se fora o correto. Por exemplo: se o aluno escreveu caZa com “z” eu deveria aceitar... Afinal, ele entendia o que significava a palavra e escrevera, ‘à sua maneira’, corretamente... Embora chateado com a intromissão de algumas professoras das séries iniciais, eu sorria com meu sorriso tímido e lhes respondia que o correto é o correto e o errado é o errado. Involuntariamente, amealhei novas, comprometidas e ferrenhas inimigas. Nessa escola, uma triste manhã, cheguei e não pude assinar meu ponto: estava fechado pela diretora, de então, e o recado dado pela autoritária secretária da escola que eu fosse à Secretaria da Educação buscar outra escola... Tudo isso apesar de minha dedicação e de meu ótimo relacionamento com os alunos. E lá fui eu – mais uma vez – procurar escola para lecionar!

Bem, depois desses dois parágrafos, (que não significam que fugi do tema, mas que lhe dão lastro!), reafirmo que, domingo passado, foi dado um Golpe Republicano pelo Povo Brasileiro em toda essa baderna, em toda essa esculhambação, em toda essa orgia desavergonhada que sangrou – por 13 anos! – o Suor, o Bolso e a Esperança da brava gente brasileira! E foi assim, que, de repente, jamais tendo sigo golpista, em minha vida, me tornei um assumido, cívico e republicano “golpista” brasileiro! O que me alegra o coração e me faz leve a consciência? É que não pratiquei um golpe solitário. Mas, um golpe solidário: acompanhado de milhões de brasileiros patriotas – do Oiapoque ao Chuí! Enfim, sou “golpista”. Em nome da Democracia, da Liberdade, da República e... da Vergonha na Cara!

“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)


Porto Alegre, 31 de Outubro - Dia das Bruxas/2016. 23h23min
jjotapoesia@gmail.com - www.cappaz.com.br


  Data: 23/10/16 - 2:1

  Nome:   Luísa Zacarias
  Cidade:   Évora
Gostei muito de passar por aqui. Está tudo muito lindo. Estão todos de parabéns. Continuem em força como até aqui ou ainda melhor se for o caso disso. beijinhos para todos

  Data: 21/10/16 - 11:26

  Nome:   DINÁ FERNANDES DE OLIVEIRA SOUZA
  Cidade:   Várzea - PB
   
Cara amiga Gracita Fraga. a CAPPAZ agradece a sua maravilhosa composição que veio abrilhantar a nossa página.
Fraterno abraço.

Diná Fernandes- Coordenadora Nacional das Cirandas

  Data: 20/10/16 - 19:56

  Nome:   Gracita Fraga
  Cidade:   João Monlevade
Boa noite CAPPAZes
Meu agradecimento à Confreira Diná pelo convite para participar da Ciranda o que foi aceito com prazer
Parabenizo aos confrades e confreiras pelas belíssimas obras literárias que foram orquestradas com magia para abrilhantar o evento
Uma oportunidade singular fazer um tour poético por estas composições fabulosas. Uma iguaria de sabor inquestionável
Parabéns a todos!
Um abraço fraterno

  Data: 16/10/16 - 17:12

  Nome:   João Carlos Ramos
  Cidade:   Divinópolis
Aguardo a ficha de filiação proposta pelo Dr. Carlos,ilustre Presidente
da Cappaz.
Obrigado!
JOÃO CARLOS RAMOS-PRESIDENTE DA ACADEMIA DIVINOPOLITANA DE LETRAS

  Data: 21/9/16 - 23:44

  Nome:   Joyce LIma Krischke
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
Árvore na Primavera

Primavera...das estações a mais bela
Muitos dias do ano esperei por ela
Árvore com folhas e flores revestida
Que no inverno frio foi despida

Árvore do amor por mim plantada
Aguardo na Primavera sua florada
Caminhando feliz por entre as flores
Sigo relembrando todos os meus amores

Vejo na árvore copada e florida
As alegrias que oferece a vida
Ser uma flor cor-de-rosa eu quisera
Uma flor da árvore na Primavera

Árvore com folhas e flores coloridas
Na Primavera renascem suas vidas
Sinto na alma também o renascer
Fazendo a árvore da vida florescer

Joyce-Lu@zul
Holambra-23 de setembro de 2005: 13:00.
(Escrito no Parque das Flores)


  Data: 08/9/16 - 17:50

  Nome:   Rosângela
  Cidade:   Curitiba
Primavera
Rosângela Coelho

Eis que surge a Primavera,
repleta de perfumes e cores,
e que o sonho de quimera
renasça em novos amores

Suas flores multicoloridas
Nos jardins se proliferam
Exalando perfumes sutis
Nossos sentidos temperam

Ah! Primavera...
Estação de muitos encantos,
Flores, cores, amores
e os pássaros com seus cantos.

Curitiba (PR), 16/09/2009 - 09h34min.

  Data: 08/9/16 - 14:39

  Nome:   JOYCE LIMA KRISCHKE
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
Sou Brasil... Sou Paz e Bem
Joyce Lima Krischke


Sou Brasil que diz ”Che”, “óh xente”,
Come feijão com cachorro quente.
Brasil... Brasília dia a dia...
Pátria, que canto com alegria.
Brasil da magra poupança,
Da inflação que avança.
Brasil das vaias e aplausos...
Daqueles que contam “causos”
Brasil dos irmãos Andradas,
Do futebol e pedaladas.
Brasil – seu povo clama e grita
E, não ouve o trem que apita.
Brasil - daquele que tem fome,
Outros mandam em seu nome.
Brasil muda sua imagem...
Tem gente tirando vantagem!

Ah, enfim, Sou Brasil, também,
Sentindo que Sou Paz e Bem.

Balneário Camboriu/SC- setembro-2016


Sou Brasil... Sou Paz e Bem
Joyce Lima Krischke



 
Mostrando 15 mensagens de um total de 348

<< anterior    1 2 3  4  5  6    próxima >>
 

Confraria Artistas e Poetas pela Paz - Todos os direitos reservados
Formatação e layout por Rosângela Coelho

Powered by © Fritsche