CAPPAZ - Confraria Artistas e poetas pela Paz


    

 

  Data: 06/12/17 - 1:18

  Nome:   Maroel da Silva Bispo
  Cidade:   Feira de Santana
Boa noite. Solicito minha inscrição nesse grupo.

Sou poeta e escritor baiano.

Atenciosamente,


Maroel Bispo


psimaroelbispo@gmail.com

  Data: 25/11/17 - 15:6

  Nome:   JJota Poeta
Divagações Sutis...
J.J. Oliveira Gonçalves

Quisera as bandas da janela
se abrissem sobre outro panorama...
E que estas janelas de minh’Alma
se debruçassem sobre novo cenário...

Quisera a Natureza – ouvindo o coração
se estendesse além do Jardim da “Kika”...
Além da calçada, além da rua, além das casas...
Além do Sol... que enruivece os lábios da Aurora...
E da Lua... que joga Estrelas nos cabelos da noite!

Além do meu olhar ausente de Amores...
Além da Solidão que se grudou em mim – apaixonadamente!
Além – mesmo – das Saudades... cheirosas flores
E das folhas de Outono pelo chão: rimas e versos
Destes transversos – doídos e perversos que componho!

Além... bem além do homem que quero ser
Além do poeta... que ainda não sou
E das estrofes sutis... que ainda não tenho!

Porto Alegre, 09 de junho/2016. 14h22min
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br


  Data: 21/11/17 - 0:43

  Nome:   JJota Poeta
   
Ó, Pendão da Esperança!
J.J. Oliveira Gonçalves

Bandeira, és o Pendão Altivo da Esperança! Da Ordem e do Progresso! Em tuas cores significativas e gentis, trazes o azul do Céu de nossa Pátria. O Verde de nossas florestas. O Amarelo de nossas riquezas. E o Branco da Paz que os homem-de-boa-vontade trazem na solidariedade de seu coração e na fraternidade de sua mão.

Bandeira, desde que me dei de conta deste Chão, tremulas, imponente e bela, na Alma brasileira. Meu coração se emociona quando te vejo tremulando, soberana, sob o Vento do Civismo, do rufar das fanfarras, das vozes brasileras que te cantam e do Respeito com que te reverenciam os filhos desta Terra Brasilis, onde nasci.

Bandeira, com meus pais, meus avós, minha família, minhas professoras e meus professores, fui te conhcendo e aprendendo quem eras. Mais do que isso, fui sentindo um grande Amor por ti - nos exemplos de Respeito e Amor que recebi. No Grupo Escolar, conheci as homenagens que te faziam, ó, Pendão da Esperança! Mais tarde, no Ginásio e no Científico, sedimentou-se este Amor maluco e sincero, por ti!

Bandeira, desde tempos longínquos, cultivo este Amor – tecido de Orgulho e Gratidão! Pois tenho orgulho de ser Gaúcho e Brasileiro. Jamais xinguei ou depreciei meu Rio Grande e meu Brasil com palavrões ou palavras depreciativas – jamais! Eis que jamais senti vergonha do Chão Gaúcho ou do meu Solo Brasileiro. Jamais! Todavia, sinto nojo e repulsa dos predadores da Pátria: dos brasileiros entre aspas, dos vendilhões, corruptos, ladrões, sanguessugas – vis traidores da Pátria!!

Bandeira, neste 19 de Novembro, que minh’Alma tremule ao lado da tua, neste entardecer primaveril e belo! Que meu coração cante, ao compasso do teu, esse Hino recheado de Amorosas Metáforas: chamamento ao nosso Patriotismo!

Bandeira Verde-Amarela-Azul-e-Branca: Quatro Cores que se estendem do Oiapoque ao Chuí! Que o Cruzeiro do Sul que ostentas estrelado seja o Guia que conduza à Vitória esta bela, trabalhadora, miscigenada e rica Terra que representas no Universal Concerto das Nações! Me perfilo e, emocionado, bato continência.
Sou João. Um brasileiro. Sou BRASIL!!

“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)

Porto Alegre, 19 de Novembro – Dia da Bandeira/2017. 18h
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com




  Data: 27/9/17 - 12:22

  Nome:   JJota Poeta
  Cidade:   PORTO ALEGRE
   
Sou Patriota!
J.J. Oliveira Gonçalves

Do universo entre as nações resplandece a do Brasil!
(Hino da Independênciado Brasil)

Sou patriota! Sim! Não sou golpista! Não sou fascista! Nem comunista! Nem fratricida! Nem traidor de minha Pátria! Sou patriota, sim! E meu nome é João. Sou gaúcho! E brasileiro! Sou João: um cidadão verde-e-amarelo! Um poeta desgarrado que vive o presente no Passado. Lá, onde a Verdade era a Verdade. E a mentira era a mentira. Onde o certo era o certo. E o errado era o errado. Onde o Respeito era inerente ao ser-humano. Ah, onde se era mais humano do que ser! Onde, a Metáfora (de igualdade e de união) da ponte se sobrepunha, naturalmente, à atual e conveniente Metáfora (da desigualdade e da separação!) do muro. A ponte une. O muro divide. (Afinal, dividindo um povo e colocando irmãos contra irmãos não é mais fácil subjugar um povo?)

Sou patriota! Sim! Desde menino. Não nasci em berço esplêndido. Todavia, em berço digno, honrado, honesto. Um berço feito de bons princípios: humilde, limpo, amoroso. Nasci pobre. Mas não de uma pobreza miserável. Continuo pobre. Pois sou professor (aposentado) do magistério público estadual, aqui, em meu Amado e depauperado Estado do Rio Grande do Sul. Além do salário aviltado por todos os governadores que passaram pelo Piratini, nestes tristes e amargos tempos sartorianos, além de receber atrasado, recebo parcelado. O que, por si só, além de pesadelo, é uma vergonha! Porém, nem por isso saí para as ruas quebrando, incendiando patrimônios particulares ou públicos! Nem por isso incitei à desordem e à invasão da casa do outro. Ou de seu gabinete de trabalho. Ou de sua fazenda. Enfim, não sou arruaceiro! Nem bandido!

Sou patriota! Sim! Minha família, minhas professoras e meus professores semearam o Civismo em mim. Nunca esqueço daquele menininho do seu amado Grupo Escolar “XV de Novembro”, em Bagé, em seu tapa-pó branquíssimo e bem passado, com a bandeirinha verde-e-amarela na mão. Mais tarde, do adolescente uniformizado – tímido e orgulhoso – a desfilar nas fileiras do seu igualmente amado “Colégio Estadual de Bagé”, nos quatro anos de Ginásio e nos três de “Científico”. Ouço, até, o som entusiasmado e alegre da fanfarra. E os aplausos do povo que, então, ia assistir àquele desfile garboso da juventude: saudoso espetáculo feito de Beleza, de Fé e Esperança em nós mesmos. Sobretudo, de Civismo e Amor pela Pátria Brasileira! Éramos o Futuro esperançoso de nossos pais, de nossas famílias, de nossos mestres e mestras, enfim, de nossa grei!

Sou patriota! Sim! E, apesar dos tempos extremamente difíceis do nosso Brasil ferido, machucado, aviltado, traído – em seu corpo e em sua Alma – serei patriota até morrer! Não posso apagar o Passado que me projetou para o presente. Não sou um traidor da Pátria. Nem um vendilhão do seu corpo. Nem de suas riquezas! Deus me fez digno! E me mandou, aqui, digno! Portanto, não posso traí-Lo. Nem trair minha própria consciência. Eis que venho do tempo do certo e do errado. Repito: de quando a Verdade era Verdade. E a mentira era mentira. Venho do tempo dos antigamentes! De quando a palavra valia. E se sentia a vergonha na cara. Tempos de Ordem e Progresso! E não de vandalismos exacerbados e de ódios explicitamente declarados! De tempos de ordem! E não de desordens, arruaças, depredações. De preguiças ideológicas. E de vagabundagens maquiavélicas. Venho de tempos de trabalho e de estudo! De um tempo, quem sabe, perdido no próprio tempo. Todavia, exuberante e vivo em minha memória! Um tempo que não esqueço. Porque não se apaga, quando se Ama a Pátria! Por isso, sou Patriota!!

“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)

Porto Alegre, 07 de setembro/2016. 13h54min
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br



  Data: 24/8/17 - 19:24

  Nome:   CARLOS REINALDO DE SOUZA
  Cidade:   CONSELHEIRO LAFAIETE
   
Mais um mineiro na Cappaz! Parabéns poeta Edy Simão! Parabéns Cappaz! Contamos com sua efetiva participação nas iniciativas da Cappaz, especialmente nas Cirandas mensais e nas Antologias anuais. Visite sempre o nosso site e nossas páginas, na Internet. A grandeza da Cappaz é diretamente proporcional às presenças constantes de seus membros em todas as suas atividades. Parodiando Peter Pan, " ... o navio da Cappaz desliza pelo azul do céu, seguindo rumo tão caro às almas simples, apontando sempre para a estrela que prenuncia o alvorecer." Seja bem-vindo!













  Data: 19/8/17 - 18:54

  Nome:   JJota Poeta
  Cidade:   PORTO ALEGRE
   
O Outono é Dourado... E a Paixão é Rubra!
J.J. Oliveira Gonçalves

Que pobre o coração que não sabe amar
e que não conhece o delírio da paixão.
Se não amas, que sol pode te aquecer,
ou que lua te consolar?
- Omar Khayyam -

O Outono é, sim, Dourado. E a Paixão, eu sei, é Rubra! Que a Paixão é o Fogo que, alvoroçado, é Labareda na fornalha ardente do Amor! A Brasa-Viva e rebelde que crepita – incandescente! A Primavera traz o alvoroço nos tantos tons e nas tantas fragrâncias das flores. É a renovação da Natureza. No canto dos pássaros. No zumbido sussurrado dos insetos. No looping alegre e colorido das borboletas. Na cabeleira assanhada e verde das árvores. Nos olhinhos acesos e brincalhões dos animais. Na balada cristalina e ritmada da Chuva – brincando de correr... sobre o telhado. No zéfiro gostosamente amadeirado que o Vento traz – enquanto canta e dança... E essa Estação de minha vida eu já vivi. Em outros tempos e em outras lonjuras... Em outros tempos de Paixão pretérita – mas que se nega a morrer dentro de mim! Embora eu seja, (nestes tempos escassos de quase tudo!), restos de quem fui!



O Outono é Dourado. E a Paixão é Rubra! O Outono é meu irmão. E a Paixão é minha amante. Aquela amante que é senhora de si. E que se julga assenhorada de mim. Que me Ama com o reboliço da Carne. Com o coração a ladrar contra as paredes do peito. Com o sangue em lavas a rumorejar nas veias. Com o Êxtase do Prazer. E o Zênite da Alma... ou do Espírito! Mas, também, com o olhar amendoado e doce de menina... embora já mulher! Ah, porque Paixão que se preze e que mereça ser chamada de Paixão, não envelhece. Não tem rugas. Nem sulcos. Nem cabelos brancos. E, quanto mais “velha”, melhor. Mais doce e mais selvagem, também!



Com certeza, apesar de o Outono ser Dourado e de a Paixão ser Rubra, minha Paixão carrega, consigo, todos os Matizes. A Paixão tem as Quatro Estações pintadas por Deus, em seu exuberante e singular Óleo-Sobre-Tela. É, assim, feito as “4 Estações” de Vivaldi. Até os acordes são nostálgica e poeticamente semelhantes. Compostos nas Partituras da Vida, com esmero, maestria apurada e indesmentível Sensibilidade... É preciso um coração teimosamente Amante e uma Alma sutilmente antiga e Apaixonada para escrever e descrever os Sentimentos que evocam a Paixão. Nas Pautas da Música, ou nas Estrofes da Poesia! Ah, as Notas musicais são irmãs, (às vezes, gêmeas!), da sonoridade das rimas. A Magia da musicalidade nos sorri em ambas. Há uma troca de felizes gentilezas, entre elas!



A Paixão? É uma espécie de enraizamento profundo e silencioso do Amor... Uma espécie de doença... sem remédio. De Mal sem cura. Um quebranto que fragiliza o corpo. E deixa a Alma sem chão... sem Cais! Afinal, como definir ou conceituar um Sentimento que, por si mesmo, não se explica? Se mesmo “o coração tem razões que a própria Razão desconhece”, o que dizer da Paixão? Paixão só sabe o que ela é – ainda que não possa ou não saiba explicá-la – quando ela bateu às Janelas-da-Alma e entrou... Invasiva que é, não precisa de convite. Nem pergunta se pode entrar, ou não. Simplesmente entra. Toma conta de quem se assenhora e pronto! Pode nos levar ao céu úmido da boca da Amada. Ou nos empurrar para o inferno ranzinza do Ciúme. Eis que a Paixão é o Bem e o Mal. É um Amor esplendoroso e crucial, ao mesmo tempo! Paixão não se pede, nem se espera por ela. Ela tão somente nos pega pela mão e não sabemos o que acontecerá, se, de repente, não nos quiser mais e for embora... Mas, se ela se apossar para sempre do nosso coração, (rindo!) ultrapassa, conoco, os Portais da Morte!



“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”

Grande-Chefe Seattle)



*Ofereço este texto à Doce e Saudosa Lembrança de minha mãe NENA, que, hoje, aniversariava.

Ela sabia de meu romantismo. De meu coração apaixonado. E de minh’Alma fiel.

Saudades, mãe... Muitas! E sem fim...



João – filho de quem tanto te orgulhavas!





Porto Alegre, 18 de Agosto/2017. 13h

jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br






  Data: 13/8/17 - 10:34

  Nome:   JOYCE LIMA KRISCHKE
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
Aos pais da CAPPAZ no seu dia- 2017
Joyce Lima Krischke

Quisera expressar minha homenagem
de vida, aos verdadeiros pais do mundo.
Busco a inspiração nesta passagem...
de paz, bem e amor minha alma inunda.

Desejo expressar respeito e carinho,
abraçando com sereno ardor...
suas almas feitas de plumas e arminho.
Acima de tudo, cheias de amor.

Aos pais que, além da segurança,
doam compreensão, paz e afetos,
aos amados filhos nesta andança.

Pais mostram sulcos nos rostos das vidas,
Pais semeando paz nos jardins secretos,
Pais- remédios pra curar as feridas!

Balneário Camboriu/SC, 11/08/2017.


  Data: 13/8/17 - 10:34

  Nome:   JOYCE LIMA KRISCHKE
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
Aos pais da CAPPAZ no seu dia- 2017
Joyce Lima Krischke

Quisera expressar minha homenagem
de vida, aos verdadeiros pais do mundo.
Busco a inspiração nesta passagem...
de paz, bem e amor minha alma inunda.

Desejo expressar respeito e carinho,
abraçando com sereno ardor...
suas almas feitas de plumas e arminho.
Acima de tudo, cheias de amor.

Aos pais que, além da segurança,
doam compreensão, paz e afetos,
aos amados filhos nesta andança.

Pais mostram sulcos nos rostos das vidas,
Pais semeando paz nos jardins secretos,
Pais- remédios pra curar as feridas!

Balneário Camboriu/SC, 11/08/2017.


  Data: 13/8/17 - 10:30

  Nome:   JOYCE LIMA KRISCHKE
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
FELIZ DIA DOS PAIS - 2017, AOS CONFRADES CAPPAZ!
ABRAÇO FRATERNO JOYCE

  Data: 13/8/17 - 10:25

  Nome:   JJota Poeta
   
Sem Meu Pai José...
J.J. Oliveira Gonçalves

Meu pai José que, em tempos de então,
Foste o Esteio dos Sonhos que teci!
Saudade és, hoje... em meu coração
Que, embora encanecido, é de guri!

Meu pai José que me vendeu a Ilusão
Na Fronteira distante – onde nasci...
Me aconselhaste sempre: “Estuda, João,
Que o Saber quero deixar pra ti!”

Meu pai José deixou-me, por Herança,
O Estudo – pra vencer... E a Vergonha
Pra ter na cara – Limpa e Honrada!

Meu pai José foi meu primeiro amigo
Que me criou, cuidou... De mim fez homem!
Triste é o Domingo sem meu pai José!

Não há cartão, abraço... nem presente
Há este Vazio de ti... de mim ausente!

Porto Alegre, 13 de Agosto – Dia dos Pais/2017. 09h
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br




  Data: 19/7/17 - 22:33

  Nome:   sirlanio Jorge Dias Gomes
  Cidade:   Florianópolis-Sc
   
Um poeta jamais morre,
Ele apenas imita a morte,
E numa inspiração incrível,
Se junta ao universo fazendo versos,
Enquanto a beleza da criação,
O molda em rimas,
Numa poesia eterna de lembranças.

Saudações poéticas a todos da confraria cappaz.

  Data: 16/7/17 - 17:28

  Nome:   JOYCE LIMA KRISCHKE
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
POSSE EDUARDO MENEGUELLI JUNIOR
Divulgação e valorização da Cultura de Paz marcam história da CAPPAZ, que completa nove anos de fundação
No inicio do ano 2008, alguns escritores obstinados lutavam pela divulgação de poesia como instrumento de Cultura de Paz e bem.
Objetivando a união e fortalecimento dessas idéias e ideais poetas e artistas plásticos, organizaram-se em confraria, imbuídos do sentimento de solidariedade. Essas pessoas iniciaram um movimento que culminou na fundação da CAPPAZ, em 09 de abril de 2008.
A idéia me pegou de surpresa e eu resolvi encarar os desafios que estavam postos. No mesmo ano a CAPPAZ já participava do Congresso Brasileiro de Poesia, em Bento Gonçalves/RS. Um ano depois, a iniciativa começada por visionários escritores e artistas plásticos resultou na edição da primeira Antologia CAPPAZ. Hoje, já editamos sete Antologias com significativo número de participantes, com uma média de 45 participantes, por edição de cada Antologia.
As principais bandeiras dos anos iniciais da CAPPAZ, além da edição das Antologias, foram a edição das Cirandas mensais, com uma média de 35 participantes, mensalmente, editados na Web, através do site que a CAPPAZ mantém atualizado. ( www.cappaz.com.br)
Fizemos dez eventos de lançamento das Antologias em diversos estados do Brasil, entre eles Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Santa Catarina. Também, realizamos oficinas de poesias, em escolas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina e exposições de artes visuais na sede da OAB e SESC em Balneário Camboriu e muitos saraus poético-musicais.
Quase dez anos depois a CAPPAZ se consolida como voz da Cultura de Paz, no Brasil e no exterior.
Com as idéias e ideais que levaram a fundação da agremiação, a atual Diretiva Nacional segue na defesa intransigente da Paz e Bem.
Hoje, a CAPPAZ detém o respeito de seus integrantes e reconhecimento da sociedade como agremiação comprometida com os preceitos éticos na defesa e divulgação da Cultura de Paz.
PARABÉNS CAPPAZ, PARABÉNS CONFRADE HONORÁRIO EDUARDO MENEGUELLI JUNIOR! ( Presidente Regional CAPPAZ/SC)
Balneário Camboriu/SC, 15 de julho de 2017.
Joyce Lima Krischke- Presidente Fundadora CAPPAZ


  Data: 16/7/17 - 17:26

  Nome:   eduardo torto menmeguelli
  Cidade:   BALNEARIO CAMBORIU/SC
   
Na tarde de ontem – dia 15/07/2017 – A CAPPAZ realizou o evento de posse do Confrade Eduardo Torto Meneguelli na presidência da CAPPAZ Regional-SC.
Segundo o Poeta Pedagogo, Palestrante, ele protelou esse momento por alguns anos e agora aceitou o convite da Confreira, Dra. Joyce Lima e demais Confrades. Disse ainda ser mais um grande desafio, ajudar a proliferar a Paz em nosso Estado, mas o sendo visto por um ângulo angélico, é, e será Pátria Evangelho Coração do Mundo, por isso, ajudar e incentivar a prática da Paz não é uma obrigação e sim, uma oportunidade.

  Data: 11/7/17 - 16:12

  Nome:   JJota Poeta
   
Franciscano Amor!
J.J. Oliveira Gonçalves

Quando a porta o vô abre da morada
E, em vez do teu sorriso, olha o Vazio
N’Alma do vô, a Saudade é um arrepio
Ó, Cuidadora fiel, gentil e Amada!

Às vezes, os teus olhos-de-esperança
Me seguem pela casa – Amorosos...
Teus passos saltitantes – buliçosos
Ainda cuidam de mim, leda criança!

Envolto em relembranças, eu me perco
Saudade, ao velho peito, fecha o cerco
E Lágrimas afloram da Emoção!

Ah, “Polly”, o vô, no verso, ele derrama
O coração que o nosso Amor proclama!
De Saudade o vô vive... e Solidão...

(Um dia, o vô se vai... Vai-te encontrar
E o Franciscano Amor eternizar!)

Porto Alegre, 11 de julho/2917. 10h30min
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br


  Data: 01/6/17 - 20:4

  Nome:   JJota Poeta
  Cidade:   Porto Alegre
   

Chove a Cântaros, Querida...
J.J. Oliveira Gonçalves

Amor da minha vida: chove a cântaros... É meio da semana... é quinta-feira... Dizem que a chuva vai até domingo. E, aí, na cidadezinha onde moras? Também chove a cântaros, como aqui? Ou, é dourado o Sol, como é dourado o ensolarado Sol do teu olhar? Ah, a expressão “a cântaros” perguntas? É expressão antiga... tão antiga... Mais antiga – te juro! – do que eu... Tão antiga que é de priscas eras... Estou rindo, pois sei que ris, também... E, embora não estejas ao meu lado, ri-se, à toa, no peito apaixonado, o poeta coração – guri antiquado... É bom que assim te escreva e assim me expresse, para que vás, enfim, te acostumando com este Amor retrô e envelhecido... Com este Amor fogoso do anteontem, que só se apagará quando eu me for... Quando a Alma voar ao Infinito... Que enquanto estou, aqui, minh’Alma mora no Mar dos olhos teus... que não tem fim!
Amada: enquanto escrevo estas palavras – com cheiro, tom e jeito de poesia – a Chuva me espia na vidraça... Com olhos de umidade e de Ternura... Ela sabe que sou Sentimental! Conhece as maluquices, cá, do peito. Sabe que o coração não tem mais jeito. Embora um coração... velho, desfeito! E sabe desta Alma secular... Ouço da Chuva a líquida balada... Com seus cristais quebrando-se à janela... Ah, gostarás da Chuva – como eu? Nunca te perguntei... Pergunto, agora. Se não, te ensinarei que há Poesia: nos pingos, nos respingos, nos cristais – que ora tamborilam na vidraça... Ah, então, passearemos de mãos dadas, sob a Chuva a cantar sua Poesia... Sob a Chuva a molhar os nossos corpos. Sob a Chuva a regar as nossas Almas... Sob a Chuva a acolher esta Paixão!
É isso, aí, Amor... Que a vida passa... E o Tempo não espera por ninguém. O Tempo não espera nem compreende que um coração sem tempo vá, se envolva, co’um coração em flor – cheio de Amor... Querida: o que o Tempo ainda não sabe é que o Amor-Paixão não tem idade! Isso é verdade – eu sei. Mas, também sei dói e que machuca... Que o Amor – se é Belo – é dolorido!
Amor da minha vida: chove a cântaros... É meio da semana... é quinta-feira... Ouvi dizer que chove até domingo. Ah, sim... quanto às expressões “a cântaros” e a igualmente antiga “priscas eras”, pergunta ao professor de Português... Não perguntes a mim, que eu não sei. Que só o que sei, confesso, é te jurar: o quanto é grande o Amor para te dar!!

“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”

(Grande-Chefe Seattle)


Porto Alegre, 01 de junho/2017. 11h22min
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br


 
Mostrando 15 mensagens de um total de 351

1 2  3  4  5    próxima >>
 

Confraria Artistas e Poetas pela Paz - Todos os direitos reservados
Formatação e layout por Rosângela Coelho

Powered by © Fritsche